Rayra

Já ouvi, no minimo um milhão de vezes, amigos tentando explicar que nenhum amor, jamais será igual à outro. Como se cada alma que te tocasse, tocasse de uma forma diferente. Apesar de despertar os mesmos sentimentos, ainda assim não seria igual. Tem dias que custo acreditar que é desta forma que acontece. Noutros eu me entrego a isto de forma certeira. O fato é que não explicar a forma com que aconteceu. Sei que não posso medir forças com relacionamentos antigos. Simplesmente porque o sentimento, não é nem parecido com algo vivido até aqui. Ele não foi o primeiro amor, o primeiro homem, o primeiro… Sei que já passaram alguns inúmeros corpos entre aquelas mãos, que hoje são minhas. A questão é que nada disso importa. As vezes dói, as vezes aperta o peito, e a vontade de termos sido apenas nossos é grande. Mas ninguém apaga passado. E apesar dessas dorezinhas causadas pelo bichinho do ciume, a gente sabe, o quanto passado é importante. O quanto é necessário. A gente quebra a cara, rala o joelho, chora um bocado, tudo pra se tornar gente grande. A grande questão é que ainda não entendo. Chegou assim. E quase que num piscar de olhos se tornou a coisa mais importante da vida. Como se todas as coisas que até então pra mim eram bregas e beeeem piegas, viessem a se tornar fofas e necessárias. Justo eu, que sempre gostei da cama todinha pra mim, me encontro aqui, acordando no meio da noite, procurando teus pézinhos, te acordando quando como num surto, te abraço desesperada, como se fosse fugir dali a qualquer momento. E na verdade, é involuntário. E pensar que antes de você, conchinha era tortura.  Eu sei, que a pupila não vai dilatar pro resto da vida. Estou ciente que daqui a 30 anos, vamos ter aumentado e muito nosso dicionário de palavras feias e que a implicâncias obviamento serão bem maiores. Mas, ainda assim, é com você que quero que todas essas coisas aconteçam. Não acho que fomos feitos um pro outro, alias, discordamos na maioria das coisas e concordamos quase em nada. O fato é que isso é o amor. A gente enxerga. Os defeitos. As falhas. Mas, fica. Mesmo assim fica. Não por misericórdia, falta de opção, ou por não ter pra onde ir. A gente fica por querer ficar. Por saber que defeitos todo mundo tem. Por enxergar que nenhum abraço no mundo te acalmara como aquele abraço. Que nenhum outro beijo vai ser tão doce. Por entender que nenhum outro corpo vai te tocar da mesma forma. Acho que o amor verdadeiro, se é que me entendem, porque não existe amor falso, ou é amor, ou deixa de ser não é? Mas o amor, aquele único, é raro. Encontrar a pessoa certa, que faz teu coração querer parar de bater, é tão único. A  gente as vezes se perde, cansa de procurar, de esperar chegar, só cansa. Vivemos em meio a uma geração que promove o desapego. Onde o ninguém é de ninguém prevalece. Só posso ter pena dessas pobre almas. Cada um escolhe o caminho que quer trilhar. E para muitos estar sozinho é algo positivo. E confesso que pra mim, também já foi. Mas não existe nada melhor que encontrar alguém pra sonhar junto. Hoje vejo meus avôs cuidando um do outro com tanto amor, mesmo em meio um montão de briguinhas bobas. E penso, meu Deus como quero isso pra mim. A gente vem ao mundo com tanta pressa, que acaba esquecendo de olhar nos cantinhos, os detalhes, e é ali que a vida acontece. Hoje somos gente grande. Aprendemos muito com erros passados. Creio que sabemos enxergar o certo e o errado. Estamos ciente de nossas escolhas. Se estamos aqui é porque queremos estar. Porque não, o amor, não fica por pena, por estar confortável, ou qualquer outro motivo besta. A gente fica porque não existe outra possibilidade. Suporta as birras e crises existenciais do outro porque sabe que ali, embaixo daquele furacão existe todo um mundinho, que é só da gente. Parece que o amor, aquele que a gente espera a vida inteira pra chegar, é simplesmente simples. Vem assim, sem frescuras, sem complicações. É diferente de tudo aquilo já vivido. O simples sempre me encantou. Não existe nada mais bonito pra mim que pé descalço. Cheiro de chuva. Abraço sem motivo. Beijo com gosto de café. Sorriso pela manhã. Domingo de preguiça. Acho que o amor da minha vida foi a coisa mais simples que me aconteceu. Veio assim. Me tomou assim, quase que de assalto. Entrou pela porta da frente. Não bagunçou minha vida. Não tirou nadinha do lugar. Não foi furacão. Veio como uma brisa, leve e calma. A única coisa que peço, pro resto dos meus dias, é que tudo seja assim simples. Daqui pra frente? Quero mais mãos dadas e passos firmes. Quero casa e quintal. Quero varanda. Quero redes penduradas. Quero domingo com cheiro de café pela casa. Quero cachorro correndo. Quero barriga crescendo. Corpo mudando. Emoções a flor da pele. Quero mais que tudo, ver as mudanças que acontecem dentro da gente. Quero almoço de domingo da casa da sogra, da tua, da minha. É como se do dia pra noite nos víssemos gente grande, e quase que instantaneamente passássemos a caminhar em direção a vida de nossos pais, e por incrível que parece isso se torna a coisa mais bonita do universo. Pra finalizar, basta pedir que seja assim, simples e cada dia maior.

Publicado por: Rayra Zunino