Rayra
Relacionamentos não existem. Uma conclusão dura e cruel? Talvez. O que faz um casal ser um casal, é a vontade de continuar. É o querer passar o fim de tarde juntos. Decidir ficar para dormir só pra poder acordar junto também. Até que isso se repita, e repita, e repita, assim, sucessivamente. Até não tem mais pra onde ir. Pois aqui já é o lar. Dia após o outro levamos o outro pela mão até a padaria. Andamos descalço pela casa. Fizemos pipoca e assistimos netflix. Sem perceber nos tornamos ninho. E nesse tropeçar de dias os incômodos começam a aparecer. Ele quer atenção, ela trabalha demais. Ele é grosso se motivos, e ela sentimental demais. Detalhes e apenas detalhes que podem ser consertados num piscar de olhos. Mas que acabam se juntando a outros e mais outros detalhes e se tornam o problema de grande parte dos relacionamentos. O problema é que tentamos encontrar a pessoa ideal. Ela deve ser bem sucedida, mas não pode trabalhar muito. Tem que ser boa mãe e boa esposa. Ter tempo pra se dedicar ao marido. E ainda assim conseguir deixar a casa sempre em ordem e nunca estar cansada. Ele, precisa ter um bom emprego. Ser atencioso. Um bom pai. Um bom marido. Ser paciente e entender todas as crises dela, por viver sempre sobrecarregada. Ah, e é claro, precisa estar sempre com um sorriso no rosto. O problema é este, esquecemos que não existem pessoas perfeitas. Logo, nos começos dos relacionamentos, começamos a enxergar, que aquela moça bonitinha tem um montão de defeitos. E o moço que parece um homem feito, não passa de um menino ainda. Tentar mudar o outro, pra fazer com que se enquadre em nosso parceiro ideal, é burrice. Pode até funcionar por um tempo. Mas um dia a tristeza bate. Ele sentirá falta dos amigos que deixou de ver por ela. Ela se sentirá frustrada pela carreira que deixou pra trás pra ter mais tempo pra ele. Mudar o outro, e fazer ele se tornar alguém que não é pra te agradar, pode fazer dar certo. Mas um dia, ele irá acordar, descobrir que é infeliz. Se sentir vazio. E irá atrás de alguém que o ame da forma que ele realmente é. Se isso não acontecer no caminho. Esse pensamento deveria ser mais simples. Deveríamos enxergar o outro como ele é desde o começo. Mas, o ser apaixonado, é cego. Depois acha que o outro mudou. Que o outro não é mas a mesma pessoa. Sendo que ele, esta sendo somente, o que foi a vida inteira. É que na medida que o encanto vai se perdendo , passamos a enxergar que não existem príncipes e princesas. Somos todos seres reais. Pilhas de defeitos. Cabe a nós aceitarmos o defeito do outro ou não. O amor verdadeiro esta em deixar o outro ser quem ele é, e ama-lo, mesmo assim. O deixe ouvir musica que você não gosta ou julga ruim. Deixe, que pense, que diga, que fale. Porque você também tem suas peculiaridades, e não quer ser mudado nos detalhes que tornam você em quem você é. E se as discordâncias se tornarem tão extremas a ponto de não se encontrarem mas, então, é hora de deixar ir. Deixar ser feliz. Amar o outro é querer velo bem. Mesmo que pra isso, seja preciso abrir mão das histórias desenhadas na sua cabeça.

Publicado por: Rayra Zunino