Golpistas seguem ligando para famílias em São João Batista na tentativa de subtrair dinheiro com o golpe do falso sequestro. As ligações geralmente são de números privados ou de telefones públicos, e a população deve ficar atenta. No final da tarde desta quarta-feira (22), a mãe de uma jovem que pediu para não ser identificada, quase caiu no “trote do sequestro”.

Por volta das 17 horas, ligaram para a mãe dizendo que haviam sequestrado a jovem. No telefone colocaram uma mulher se passando pela filha, chorando e pedindo ajuda. Após isso, pediram que ela fosse em frente a lotérica do município com R$ 10 mil. Segundo relato da jovem, a mãe acreditou na história e disse para os criminosos que não teria todo o dinheiro naquele momento. “Ela disse que conseguiria R$ 2 mil, e que era para eles não fazerem nada de mal comigo”, conta.

De acordo com ela, foram cerca de uma hora de desespero da mãe. “Minha mãe já é uma senhora, sofre de depressão e toma remédios controlados. Ela entrou em pânico, saiu pedindo ajuda aos vizinhos”, afirma. Alguns minutos depois, o irmão chegou e conversou com a jovem por telefone. Só então o trote foi descoberto. Um Boletim de Ocorrência será registrado na Delegacia de Polícia Civil.

DICAS PARA NÃO CAIR NO GOLPE:

• Não receba ligações a cobrar
Se o interlocutor for desconhecido, desligue. Policiais e bombeiros não telefonam para informar sobre acidentes (a tarefa cabe aos hospitais) nem, muito menos, ligam a cobrar

• Não ajude o bandido dando-lhe informações
– Sua filha sofreu um acidente.
– A Fernanda? O que aconteceu com a Fernanda?
O nervosismo faz com que muita gente, sem perceber, acabe passando aos bandidos informações que serão usadas para pressioná-las. Em nenhuma hipótese revele nomes de parentes a desconhecidos ao telefone

• Tire os adesivos do carro
Adesivos com o nome da academia de ginástica ou da faculdade, assim como placas que reproduzem o apelido dos motoristas (BIA, LEO etc.) e páginas no Facebook e Orkut são preciosas fontes de informação para os bandidos. Evite e peça aos seus filhos para evitar

• Oriente também os idosos
Tanto ou mais do que crianças e empregadas, são as pessoas idosas da família as mais vulneráveis à manipulação dos bandidos. Muitas vezes, por se sentirem sozinhas, elas podem prolongar conversas com desconhecidos e acabar por municiar criminosos

• Pare para raciocinar
O pânico diante da possibilidade de um parente estar acidentado ou seqüestrado faz com que muitas pessoas deixem de tomar atitudes óbvias, como checar se a informação é verdadeira. Segundo a polícia, freqüentemente as vítimas deixam de ligar para o suposto seqüestrado não porque são impedidas de fazê-lo, mas porque a idéia não lhes ocorre

• Desobedeça ao bandido
Ligue para o suposto seqüestrado ainda que o bandido diga para não fazê-lo. Se conseguir contato, o caso está resolvido. Se não, tente um amigo ou parente dele. A hipótese de um seqüestrador real fazer essa ameaça é remota – bandidos não vão matar a vítima, e perder seu trunfo, só porque o celular dela tocou

• Desconfie de ligações longas
Segundo estatísticas da polícia, 90% dos primeiros contatos telefônicos feitos por seqüestradores reais duram menos de um minuto. Por temerem ser rastreados, eles nunca fazem ligações longas

• Duvide do choro das vítimas
Apelos chorosos de supostos seqüestrados têm sido usados com freqüência pelos golpistas. A polícia sabe que raramente seqüestradores de verdade telefonam do mesmo lugar em que está a vítima. Sabem que podem ser rastreados e ter o cativeiro descoberto

• Dê queixa na polícia
Se você cair no golpe, não deixe de prestar queixa na polícia. De posse de informações como o número de origem da chamada criminosa ou o número da conta em que o “resgate” foi depositado, a polícia pode identificar o criminoso e evitar que mais pessoas sejam vítimas dele.

Fonte: Clubei