Solenidade de abertura da 13ª Semana da Indústria Calçadista Catarinense (Seincc) foi marcada por anúncio de investimentos do Governo do Estado de Santa Catarina em projeto desenvolvido pelo Sindicato das Indústrias de Calçados de São João Batista (Sincasjb). O evento aconteceu na noite desta terça-feira (24) no Centro de Eventos. A Seincc segue até quinta-feira (26) e está aberta à visitação a partir das 17 horas.

O Deputado Estadual, Gelson Merisio (PSD), surpreendeu os empresários do setor com a notícia que o Governo do Estado se comprometeu com a liberação de R$ 1,7 milhões, para o desenvolvimento do potencial do polo calçadista batistense. Os recursos foram solicitados pelo presidente do Sindicato das Indústrias de Calçados de São João Batista (Sincasjb), Wanderley Zunino, e pelo Prefeito Daniel Cândido, em reunião recente com o parlamentar.

Com o aporte financeiro, o Sincasjb vai investir em tecnologia e design. O projeto pretende estabelecer um novo momento para o polo calçadista. “Com isso poderemos fazer com que nossa indústria seja cada vez mais promissora, para que o Estado possa se tornar parceiro efetivo no desenvolvimento de tecnologia e de negócios”, afirma Merisio. O principal, segundo o deputado, será o desenvolvimento da capacidade e o potencial humano para a indústria.

Noite de boas notícias

De acordo com o presidente do Sincasjb, Wanderley Zunino, a reestruturação do polo calçadista tem passado pela parceria estabelecida com o Sebrae, Senai, Prefeitura e Governo do Estado. “É importante que as entidades estejam juntas. Com recurso ou sem recursos. Juntos poderemos fazer diferente”, diz. Em seu discurso ele defendeu investimentos na inteligência e conhecimento.

No primeiro dia da feira, empresários e trabalhadores da indústria calçadista participaram de palestra com o professor e escritor italiano Enrico Cietta. Ele abordou novas formas de produção e comercialização de produtos com o fast fashion (moda rápida), fenômeno que atingiu a Itália, assim como o resto da Europa. Cietta disse aos participantes da Seincc que o fast fashion não é apenas um negócio de copiadoras e nem um modelo de produção para seguimentos de baixo escalão, mas uma revolução para o setor.